Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - banner mobile
Anúncio - Pilates mobile topo
Anúncio - Ecogarden mobile
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - USE MASCARA MOBILE
Anúncio - banner rodape
Discoteca Retrô
O gênio das trilhas sonoras dos filmes de bang-bang!
Publicado em 17/07/2020 às 09:26

O mundo do cinema ainda chora a morte do célebre maestro Ennio Morricone, ocorrida no dia 6 de julho. Um compositor genial, com mais de 500 trilhas sonoras de filmes que marcaram época na história universal da Sétima Arte!

“O coração da minha música é o silêncio”, assim dizia Ennio Morricone ao falar do seu impressionante mundo sonoro. Das trilhas inesquecíveis que compôs para os filmes do faroeste à italiana e que mudaram até o Velho Oeste feito pelos americanos, cada nota que o maestro italiano levou ao cinema de Sergio Leone, amigo de escola, continha a inovação de assovios, a melancolia e a ironia.

À sua grande capacidade de orquestra, Ennio Morricone juntou a experimentação de instrumentos insólitos, de ruídos de animais até barulho de chicote. Provocações melódicas que entrariam para a história do cinema, como a beleza de sua música, e que ajudariam a consagrar personagens como o pistoleiro sem nome, de Clint Eastwood, em “Por um punhado de dólares”, e “Três homens em conflito” – doismemoráveis sucessos de bilheteria mundial!

A inesperada voz humana em “Era uma vez no Oeste” deu uma dimensão arrebatadora a um dos filmes mais belos de Sergio Leone. Os dois, Ennio e Sergio, formaram uma parceria perfeita, que se estendeu até o último filme de Leone: “Era uma vez na América”.

Hollywood se abriu para Ennio Morricone. Vieram composições épicas como "A Missão", “Os intocáveis” e, de volta à Itália, o amor pela sétima arte em “Cinema Paradiso”. O primeiro Oscar pela carreira veio em 2007, mas só depois de cinco vezes candidato ao prêmio. O segundo, em 2016, por os “Oito odiados”, de Quentin Tarantino, que o comparou a Mozart e Beethoven. Ou melhor, o preferiu a eles.

O artista erudito, que estudou no famoso conservatório de Santa Cecília, na capital italiana, também fez história nas canções populares.

A ARTE DO CINEMA BANG-BANG

O chamado cinema western, também popularizado sob os termos "filmes de cowboys" ou "filmes de faroeste", compõe um gênero clássico do cinema norte-americano (ainda que outros países tenham produzido westerns, como aconteceu na Itália, com o seu ‘western spaghetti’). O termo inglês western significa "ocidental" e refere-se à fronteira do Oeste norte-americano durante a colonização. Esta região era também chamada de far west (extremo oeste) - e é de lá que provém o termo usado no Brasil e Portugal, faroeste (também se usou o termo juvenil bang-bang (uma gíria que usávamos para dizer do estampido de dois tiros de revólver dos pistoleiros nos filmes!), na promoção das antigas matinês e de quadrinhos). Os westerns podem ser quaisquer formas de arte que representem, de forma romanceada, acontecimentos daquela época naquele território dos EUA.

ASSISTA 2 VÍDEOS COM TRILHAS DO IMORTALMORRICONE:

- "TRÊS HOMENS EM CONFLITO" (1966) - Talvez a trilha mais célebre de Morricone para o último capítulo da "Trilogia do Dólar". Ouçam com atenção os inconfundíveis assovios, entre trompetes que destacam as cavalgadas nas pradarias desoladas do faroeste selvagem.

- "POR UM PUNHADO DE DÓLARES" (1964) - O assovio por excelência se torna inconfundível, icônico e tão célebre como a obra de Sergio Leone. A capacidade de saber trabalhar sem orquestra, com pouco dinheiro, transformando um assovio, um trompete e um tiro de revólver na síntese mais formidável do cinema de faroeste. Um tema que entrou para a história e que, no início da carreira, foi assinado com o pseudônimo de Dan Savio. (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Ennio Morricone, um compositor genial, com mais de 500 trilhas sonoras de filmes que marcaram época na história universal da Sétima Arte!

Comentários
Veja também