Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - Matriculas Abertas mobile
Anúncio - Mobile
Anúncio - banner mobile
Anúncio - Banner Mobile
Anúncio - bairro saudavel mobile
Anúncio - AGOSTO
Discoteca Retrô
Vamos ver o mundo azul nesta viagem espacial!
Publicado em 16/04/2018 às 21:46

A canção que escolhi para a edição de hoje é simplesmente maravilhosa, envolta da mais brilhante força poética que a gente possa imaginar. É uma verdadeira viagem cósmica. E quem não gostaria de viver os momentos de uma aventura dessas?

“Astronauta de Mármore” é uma releitura da clássica canção “Starman”, de David Bowie, e foi lançada em 1989 por uma das maiores bandas brasileiras: Nenhum de Nós. Vejam bem, é uma releitura – não uma versão (tradução ao pé da letra), ou seja, a letra é uma criação da própria banda inspirada na obra original.

Foi um trabalho árduo de artesania da letra: o resgate do icônico viajante espacial Major Tom, as citações à rotina dos astronautas, alusões às drogas, à religião, recortes de outras canções de Bowie ("Quero um machado para quebrar o gelo" vem diretamente de ‘Ashes to Ashes’). Nos arranjos mais citações: a base de violão característica do clima folk de ‘The Man Who Sold the World e Hunky Dory’. O violino que remetia a ‘Hurricane’, de Bob Dylan – influência confessa de Bowie.

A música foi a mais tocada na década de 90 e figura entre os maiores sucessos da música verde-amarela. Até hoje é a mais pedida nos shows da Nenhum de Nós – se não tocarem, a plateia cobra aos gritos! Conclusão: é um clássico, é eterna e está gravada no imaginário de gerações.

A banda Nenhum de Nós é formada por cinco músicos consagrados: Thedy Corrêa, Carlos Stein, Sady Homrich, Veco Marques e João Vicenti. Então, vamos curtir o vídeo e cantar juntos. Boa viagem!!!!!!! (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

O ASTRONAUTA DE MÁRMORE

Nenhum de Nós

A lua inteira agora é um manto negro

O fim das vozes no meu rádio

São quatro ciclos no escuro deserto do céu

Quero um machado pra quebrar o gelo

Quero acordar do sonho agora mesmo

Quero uma chance de tentar viver sem dor

 

Sempre estar lá

E ver ele voltar

Não era mais o mesmo

Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá

E ver ele voltar

O tolo teme a noite

Como a noite vai temer o fogo

Vou chorar sem medo

Vou lembrar do tempo

De onde eu via o mundo azul

 

A trajetória escapa o risco nu…

As nuvens queimam o céu nariz azul…

Desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu

Na lua o lado escuro é sempre igual…

No espaço a solidão é tão normal…

Desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu!

Anúncio - Interno Anúncio - Banner Interno Anúncio - Clarineis interno
Comentários
Veja também