Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - MOBILE MARÇO
Anúncio - banner mobile topo
Anúncio - banner mobile topo
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - banner rodape
Anúncio - arte nova mobile
ANTIGÃO
A tecnologia avançada está ‘aposentando’ o velho talão de cheques...
Canais digitais (internet e mobile banking) hoje concentram as transações feitas no Brasil
Publicado em 11/02/2022 às 09:39 Ítalo
A tecnologia avançada está ‘aposentando’ o velho talão de cheques...

A tecnologia nos últimos anos vem ‘aposentando’ uma série de atividades, equipamentos, hábitos e modalidades da vida cotidiana. O mundo mudou e, em pouco tempo, saímos do passado e acordamos no futuro exercendo práticas modernas e rápidas até pouco tempo impensadas...

Hoje a tecnologia está presente em todas as atividades, entre elas a economia e o comércio – ou seja, o dinheiro também é virtual... Um desses ‘aposentados’ é o talão de cheques. Conforme a Federação Brasileira de Bancos/Febraban, além de concorrer diretamente com o cartão de crédito, o talão de cheques há mais de vinte anos vem perdendo a preferência dos clientes, que têm optado por formas ainda mais modernas.

Desde 2016, o volume de operações eletrônicas realizadas cresce. Tanto que, atualmente, estima-se que 57% de todas as transações bancárias sejam feitas por meio da internet. A maior parcela delas – 34% – via aplicativos de telefones celulares. Mais que um hiato na modernidade, o cheque pré-datado também não “vira” dinheiro de forma rápida na mão do empresário, como a compra feita por cartão de crédito, por exemplo. Dependendo da necessidade, o lojista pode pedir antecipação do valor vendido com cartões, diretamente ao banco. Paga por isso, mas tem dinheiro mais rápido, enquanto o cheque pode ser sem fundos.

O avanço da tecnologia reduziu significativamente a utilização do que um dia foi o meio de pagamento mais tradicional dos brasileiros. Desde 1995, a compensação de cheques caiu 93,4% no país, segundo levantamento divulgado hoje (14) pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

A tendência de queda é contínua e não parou nos últimos 26 anos. Em 2021, o volume de compensações caiu 23,7%.

Apesar da queda, a modalidade está longe da extinção. No ano passado, foram compensadas 218,9 milhões de folhas de cheque em todo o país. O volume somou 287,1 milhões em 2020 e chegava a 3,3 bilhões de folhas compensadas em 1995.

O volume financeiro das transações com cheques também despencou. Em 1995, o montante movimentado nessa modalidade totalizava R$ 2 trilhões. A quantia caiu para R$ 668,4 bilhões em 2020 e R$ 667 bilhões em 2021.

Um dos principais problemas na utilização de cheques também despencou. O número de devoluções de cheques sem fundos caiu de 56,8 milhões em 1997 (quando a Febraban começou a pesquisar essa série histórica) para 15,2 milhões em 2020 e 13,6 milhões no ano passado.

TECNOLOGIA

Segundo a Febraban, os meios eletrônicos de pagamento conquistaram a preferência dos brasileiros. Os canais digitais (internet e mobile banking) atualmente concentram 67% das transações feitas no País.

Desde o lançamento do Pix, em novembro de 2020, a tendência se intensificou. O sistema de transferência eletrônica instantânea que funciona 24 horas por dia registrou 7 bilhões de transações e movimentou R$ 4 trilhões em pouco mais de um ano de existência.

Segundo a Febraban, a ferramenta tem a adesão de 71% dos brasileiros e é bem avaliada, com a aprovação crescendo de 76%, na época do lançamento, para 85% atualmente.

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também