Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - Matriculas Abertas
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner rodape
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - banner mobile rodape
MISTÉRIO!
A ‘Estrela de Natal’ era um cometa!
Sua cauda é extensa – ao contrário do formato de uma estrela...
Publicado em 14/12/2020 às 10:43 Italo
A ‘Estrela de Natal’ era um cometa!

Conta a história, através do Evangelho segundo Mateus, que quando Jesus Cristo nasceu uma estrela anunciou seu nascimento e guiou os três Reis Magos do ocidente até o presépio onde estava o Menino Jesus, Maria e José. Essa estrela recebeu o nome de “Estrela de Belém” e o seu brilho intenso foi uma forma de representar que Jesus seria a luz do mundo. Astrólogos da Antiguidade tinham o costume de acreditar que alguns fenômenos aconteciam em razão do nascimento de um rei, motivo pelo qual teriam considerado a aparição da estrela como anúncio do nascimento de Jesus. Esse fato está registrado na Bíblia, caracterizando bem essa passagem, onde é citada a própria fala deles: “Onde está aquele que é nascido Rei dos Judeus? Pois do Oriente vimos a sua estrela e viemos adorá-lo" (Mateus 2:1-2). Os três Reis Magos eram Belchior, Baltazar e Gaspar, que levaram incenso, ouro e mirra para presentear Jesus, pois cada um deles teria um importante significado para sua vida. O incenso foi dado para manter o bebê protegido, representando a fé, a oração que chega a Deus através da fumaça. O ouro foi ofertado para representar a realeza, para trazer-lhe riquezas, providência e proteção divina. A mirra, um óleo extraído de uma árvore com o mesmo nome, considerado antisséptico, foi dada a Jesus como presente para fazer a limpeza de seu corpo e ao mesmo tempo protegê-lo contra as doenças.

A ESTRELA ERA UM COMETA...

Você já reparou que, em praticamente todos os presépios, pinturas sacras famosas e autos de Natal, a “Estrela de Belém” é caracterizada como um cometa? Apesar desse conceito ter permanecido no imaginário popular, não se trata de uma verdade científica absoluta. Nenhum astrônomo ou qualquer outro pesquisador até hoje conseguiu determinar, com certeza, a que se referiam os textos sobre o nascimento de Jesus Cristo. A única verdade é que mil e uma teorias já foram apresentadas ao mundo desde aqueles tempos até hoje. E nada, absolutamente nada de concreto foi confirmado. Ao contrário, até ampliou-se a lenda que aquela memorável estrela é realmente um cometa pela sua forma apresentada em milhares de gravuras religiosas e artísticas. A cauda é extensa, brilhante e belíssima – ao contrário do formato de uma estrela... Astrônomos do século XVI até garantiram que se a “Estrela de Belém” se tratava de um cometa, ela seria o cometa Halley. Mas aí viera outros ‘corneteiros’ para contrariar essa tese, dizendo que o Halley havia aparecido bem antes do nascimento de Jesus Cristo, no ano 12 a.C. Além disso, há ainda a hipótese de que outros cometas poderiam ter sido confundidos com a “Estrela de Belém”, mas registros astronômicos comprovam que nenhum deles passou pela Judeia, podendo ser visto a olho nu, na época do nascimento de Jesus. Portanto, até hoje não há nenhuma conclusão definitiva. Então, fica valendo a que se popularizou mundialmente: ela é um cometa! E assim figura nas árvores de Natal espalhadas aos milhões pelo planeta em toda comemoração natalina! Sendo assim, chega de conversa e... Feliz Natal a todos! Ding, dong! Ho, Ho, Ho!!! (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Uma das mais famosas obras de arte sacra antiga é o quadro “A Adoração dos Magos ao Menino Jesus”, do pintor Giotto, que em 1301 retratou no alto do presépio o impressionante cometa Halley – que a astronomia da época batizou de “Estrela de Natal”!

Comentários
Veja também