Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - BANNER NOVO MOBILE SETEMBRO
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - A FORÇA QUE UMUARAMA PRECISA MOBILE
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - arte nova mobile
MONUMENTO
O índio Xetá está pedindo socorro!
O prefeito Celso Pozzobom vai restaurar a escultura do bosque!
Publicado em 07/02/2020 às 09:29 Italo
O índio Xetá está pedindo socorro!

O Bosque do Índio, a maior reserva verde da geografia urbana de Umuarama, é vítima do descaso e do desrespeito dos prefeitos que passaram pela chefia do Executivo nos últimos vinte anos.

Toda aquela área se transformou num verdadeiro monstro, tanto pela poluição que domina toda a área como pelo medo que provoca nos moradores dos bairros que rodeiam a mata. Ele se transformou em covil de bandidos de toda espécie: foi manchete por diversas vezes em virtude de crimes ali ocorridos. E a polícia só aparece quando esses fatos medonhos acontecem.

Essa, que era uma bela reserva ecológica no passado, com águas cristalinas nas nascentes e córrego que existem em seu interior, hoje é uma podridão completa. E seu solo está cortado por grandes erosões...

Mas, felizmente, apareceu um prefeito que voltou suas atenções para o Bosque do Índio. Em janeiro Celso Pozzobom iniciou a maior revitalização já vista num bosque da Capital da Amizade. As obras estão em andamento por todos os cantos e, em breve, ele novamente poderá ser frequentado pela população.

O SÍMBOLO

A exemplo do bosque que ficou abandonado por tantos anos, o monumento que dá nome àquele espaço ecológico também sofreu esse tempo todo o descaso dos prefeitos anteriores.

A escultura do índio Xetá, com quase 15 metros de altura, situada na entrada é uma obra de arte do escultor Rubens Utrabo, homenageando a tribo que no século passado habitava todo este território paranaense. Ele a criou com as suas próprias mãos em 1990. A exemplo dos indígenas que hoje sofrem sem lugar para viver, abandonados e torturados pelas chuvas e o frio nas praças e calçadas da cidade, a estátua do Xetá teve o mesmo destino: seu estado de deterioração é gravíssimo e pode desabar a qualquer momento... O mesmo estado se verifica no gradil (ao lado do Índio) em placas de concreto com imagens indígenas, desenhadas em metal, que estão completamente enferrujadas e meio quebradas.

Mas, seus dias de ruína também chegaram ao fim... Ele, assim como todo o bosque, também será restaurado completamente nesta operação iniciada pela Prefeitura em janeiro.

UMA OBRA DE ARTE

Vale resgatar da gaveta da memória o fato de que Rubens Utrabo esteve em Umuarama onze anos depois de construir o Índio Xetá no bosque. Ele voltou em 2001 e foi vistoriar a sua obra, constatando que estava ameaçada: rachaduras que absorveram as águas das chuvas e, depois, com o forte calor, o material havia se deteriorado e manchas de bolor se espalharam de cima a baixo do monumento... Vale detalhar que da cintura para cima é oca, frágil, apenas os quadris e as pernas são de concreto maciço.

Na época ele visitou o prefeito que estava no poder e deu o primeiro aviso de que a escultura corria perigo de desabar, mas não foi ouvido... Voltou para o Rio de Janeiro completamente desapontado com o descaso.

Em junho de 2014, depois de anos preocupado com a situação em que havia visto sua obra, e temendo que houvesse ruído, Utrabo regressou à Capital da Amizade. E, novamente, apresentou à Prefeitura um projeto para recuperá-la, pois seu estado era ainda pior do que aquele que ele viu na visita anterior.

Outra vez, nada aconteceu... O projeto deve ter amarelado no fundo empoeirado de alguma gaveta no Paço da Amizade.

Para se ter uma ideia do tamanho do descaso, passou tanto tempo que o artista Rubens Utrabo faleceu em 2017 aos 94 anos de idade... E não teve a alegria de ver o seu monumento restaurado!

VALOR CULTURAL

Merece registro a atitude do prefeito Celso Pozzobom em realizar todas essas obras no Bosque do Índio e, especialmente, a restauração do monumento do Xetá, reconhecendo seu valor cultural e, principalmente, porque passou a ser uma identidade de Umuarama que remete ao passado distante quando este território pertencia por completo à tribo Xetá, literalmente expulsa pelos colonizadores...

Além disso, é um cartão postal admirado pelos umuaramenses e pelos turistas que visitam a Capital da Amizade. Realmente, merece ser reconhecido e aplaudido este belo gesto do prefeito Celso Pozzobom! (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

FOTOS EXCLUSIVAS DE THAIS POLESI

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também