Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - banner móbile
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - banner rodape
O FUTURO É HOJE!
Próximo passo: gente vivendo na Lua
Acreditem: vão construir colônias humanas em solo lunar!
Publicado em 31/07/2019 às 14:40 Italo
Próximo passo: gente vivendo na Lua

Cinquenta anos atrás o homem pisou na Lua! Um pequeno passo para o homem, um salto gigantesco para a humanidade! Quem pensou, na época, que isso encerraria gloriosamente a corrida espacial, enganou-se.

Na verdade, durante esse meio século que passou, o interesse por continuar essa corrida espacial se agigantou ainda mais. Agora é revelado que não bastou pisar em solo lunar... A ideia é executar um mirabolante projeto com o objetivo do Homem viver na Lua. Isso mesmo: construir lá uma colônia humana, que para os simples mortais certamente parece uma novela de ficção...

VAMOS AOS FATOS ATUAIS...

A empresa de arquitetura Skidmore, Owings & Merrill (SOM) apresentou uma proposta para criar uma comunidade permanente: a Moon Village (Aldeia da Lua), "o primeiro assentamento humano permanente na superfície lunar".

A iniciativa vem sendo desenvolvida junto à Agência Espacial Européia (ESA) e ao Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e pretende resolver uma série de problemas que atualmente impedem os humanos de se mudarem para lá.

"A Aldeia da Lua deve ser capaz de sustentar a vida humana em um cenário inabitável. Temos que considerar problemas sobre os quais ninguém pensaria na Terra, como proteção contra radiação, diferenciais de pressão e como fornecer ar respirável. O projeto apresenta um desafio completamente novo para o campo do design arquitetônico", disse o parceiro de design da SOM, Colin Koop.

A MOON VILLAGE

O plano é levar cápsulas infláveis pressurizadas, que abrigariam espaços de trabalho, residências, controle ambiental e sistemas de suporte à vida, e se instalar na borda da Cratera Shackleton, perto do Pólo Sul da Lua, que recebe luz do dia contínua durante todo o ano lunar.

Na parceria, eles utilizam seus conhecimentos para completar o projeto: a empresa supervisionou arquitetura, engenharia, planejamento urbano e design sustentável; a ESA forneceu a especialização do Centro Europeu de Astronautas e do Centro Europeu de Pesquisa e Tecnologia Espacial; e o MIT envolveu o departamento de engenharia aeroespacial da faculdade.

Os módulos infláveis têm proteção para torná-los resistentes a temperaturas extremas, projéteis, poeira e radiação solar e poderiam se expandir para três ou quatro andares, aumentando o espaço vital no futuro. A água, localizada em depressões perto do Pólo Sul e congelada, seria extraída para criar ar respirável, além de funcionar como propulsor de foguetes para o transporte e apoio de atividades industriais.

A proposta se encaixa no plano estratégico da NASA de "estender a presença humana mais profundamente ao espaço e à Lua para uma exploração e utilização sustentável a longo prazo".

O início da execução desse projeto deverá ser anunciada em breve, motivado pelos fortes investimentos que o presidente dos EUA Donald Trump garantiu no início deste ano para a retomada das viagens á Lua.

Assim como parecia uma missão impossível o Homem desembarcar na Lua há meio século, os cientistas e projetistas espaciais da atualidade, autores desse projeto espetacular, acreditam que esta nova missão será uma realidade num curto espaço de tempo, afinal os projetos da Aldeia na Lua já foram por repetidas vezes analisados, testados e acrescidos de avançadas tecnologias da atualidade – ferramentas que na época em que a espaçonave Apollo 11 alunissou ainda não existiam...

É bom acreditar nessas informações, porque para os gênios da indústria espacial não há nada impossível! E já provaram isso em inúmeras aventuras interestelares por Marte, Saturno... (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

FONTE: Pesquisa e imagens em ESA Euronews

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

São dignos de admiração e de credibilidades os projetos de construção da Aldeia na Lua, criados por cientistas e arquitetos espaciais.

Comentários
Veja também