Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - DIA DAS MAES MOBILE
Anúncio - Matriculas Abertas
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - banner rodape
Cuidado, lixo perigoso: cacos de vidro
Assista o vídeo e veja como descartar objetos cortantes no lixo
Publicado em 25/03/2019 às 12:03 Italo
Cuidado, lixo perigoso: cacos de vidro

Atenção, moradores de Umuarama! Fiquem atentos aos objetos cortantes e perfurantes para evitar acidentes com os coletores de lixo! Os ferimentos causados por esses artefatos são uma realidade na rotina dos servidores que trabalham na cidade, por conta do descarte inadequado desses materiais. A prática prejudica o trabalho de coletores e coloca a saúde deles em risco. Tome cuidado!

Sem os cuidados necessários, colocar vidro quebrado, lâmpadas ou lâminas afiadas misturados ao lixo representa perigo. Os chamados materiais perfurocortantes são a maior causa de acidentes com os coletores de lixo. Mudar essa realidade depende de medidas simples. Vidros e metais cortantes ou pontiagudos devem ser enrolados em camadas grossas de jornais ou colocados em caixas de papelão ao serem postos para recolhimento pelo caminhão de lixo.

Na lista do perigo estão vidros quebrados, agulhas, espetos, latas abertas e lâmpadas. Antes de misturá-los ao lixo comum é preciso pensar que profissionais, os coletores, irão manusear as sacolas deixadas na calçada para colocá-las no caminhão. É uma ação de poucos segundos, mas com resultados que podem ser danosos e causar sérias consequências a quem trabalha para manter nossa cidade limpa.

Descartar o lixo de forma segura também é questão de saúde. Então, não esqueça: embale com jornais ou coloque em caixas de papelão tudo que possa ferir quem manuseia o lixo.

PERIGOS DE CONTAMINAÇÃO

A falta de cuidado ao se desfazer do lixo causa danos não só à saúde dos coletores, mas à qualquer pessoa, aos animais e ao meio ambiente. O perigo aqui não é mais apenas o de se cortar, mas inclui o fato de entrar em contato com substâncias contaminantes.

Um exemplo? O processo errado de descarte das lâmpadas que contém metais pesados, como o mercúrio, provoca efeitos toxicológicos, que prejudicam a saúde. Entre os humanos, pode provocar doenças, como bronquite aguda, cefaleia, catarata, tremor, fraqueza, insuficiência renal crônica e edema pulmonar agudo.

A contaminação pode causar, ainda: pneumonia, diminuição da libido e da capacidade intelectual, parestesia (alucinações), insegurança, cegueira, dermatite esfoliativa, gastroenterite aguda, gengivite, nefrite crônica, síndromes neurológicas e psiquiátricas diversas, dano cerebral e físico ao feto, síndromes neurológicas múltiplas, com deterioração física e mental (tremores, disfunções sensoriais, irritabilidade, perdas da visão, audição e memória, convulsões e morte).

LÂMPADAS

Uma opção para a destinação das lâmpadas é a reciclagem de seus componentes, basicamente o mercúrio, o fósforo, o alumínio e o vidro. Poucas empresas no país estão qualificadas para esse processo. Um sistema de coleta seletiva de lâmpadas se baseia em recolher as unidades queimadas e acondicioná-las nas caixas das lâmpadas novas (que substituíram as inutilizadas), sendo armazenadas em contêineres especiais, adquiridos das recicladoras. Os contêineres são, então, encaminhados para a unidade de reciclagem.

De acordo com a resolução nº 257/99, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), lâmpadas queimadas devem ser devolvidas aos fabricantes, ao distribuidor ou às indústrias, que são obrigadas a realizarem seu descarte e tratamento adequados. Nos artigos 30 e 33, da lei 12.305/2010, que institui a Politica Nacional de Resíduos Sólidos, fica clara a responsabilidade compartilhada, no que se refere à geração de resíduos.

Os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, inclusive de lâmpadas florescentes, de vapores de sódio e de mercúrio, e de luz mista, responsáveis pela logística reversa (destinação após o descarte) desses produtos distribuídos no mercado. Esses artigos ainda não foram regulamentados, mas a lei já exige o cumprimento.

(FONTE: Marca Ambiental)

WWW.COLUNAITALO.COM.BR 

ASSISTA AO VÍDEO “CUIDADOS COM VIDROS QUEBRADOS”

Comentários
Veja também