Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - BANNER NOVO MOBILE SETEMBRO
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - Sustentabilidade móbile
Anúncio - 2 dose completa mobile
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - banner rodape
BEBA COM MODERAÇÃO
Eleição 2018 sem Lei Seca no Paraná
O Governo não vai proibir o consumo de bebidas alcoólicas
Publicado em 01/10/2018 às 08:54 Italo
Eleição 2018 sem Lei Seca no Paraná

A ABRABAR, SINDIABRABAR, FETURISMO e as entidades da Confederação Nacional do Turismo (CNTur) comemoraram no sábado (29) a decisão do Governo do Paraná de não publicar a portaria proibindo o consumo de bebidas alcoólicas nas 24 horas do dia das eleições 2018 – 7 de outubro. A iniciativa atende ofício enviado à Secretaria da Segurança Pública, no último dia 12, pelo presidente das duas entidades, Fabio Aguayo.

“O Paraná está livre da Lei Seca nas eleições deste ano”, afirmou. Aguayo lembrou que nas eleições de 2016, a portaria foi editada e a Abrabar-PR entrou com liminar na justiça.

A ação deste ano contou com apoio do Sindicombustíveis e Lojas de Conveniência, APRAS, Sindimercados de Curitiba e Interior e Sindipanificação de Londrina.

As entidades, segundo Aguayo, agradecem ao bom senso e diálogo da governadora Cida Borghetti e do Secretário de Segurança, Julio Reis, em atender o pedido de forma administrativamente e não jurídica, como em anos anteriores.

“Importante ressaltar que na última decisão judicial, a desembargadora Maria Aparecida Blanco de Lima, foi precisa no despacho ao classificar como ilegal a Resolução/Portaria e sem amparo jurídico no Ordenamento de Leis”, disse.

R$ 680 MILHÕES

A atitude legalista do Governo do Paraná de acompanhar a última decisão Judicial ajuda a prevalecer a responsabilidade social, geração de emprego e arrecadação de tributos ao erário.  “Nosso setor, no fim de semana das eleições, movimenta R$ 680 milhões em todo Parana”, disse Aguayo.

Segundo o presidente da Abrabar, isso acaba fazendo girar a roda da economia “e, principalmente, o respeito à maioria dos cidadãos que respeitam as Leis e a Constituição Federal”, concluiu.

Comentários
Veja também