Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - Matriculas Abertas
Anúncio - DIA DAS MAES MOBILE
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - arte nova mobile
UMUARAMA 63 ANOS
26 junho 55: ‘Um dia frio de lascar!’
O desbravador Raimundo Durães recordou assim aquela data...
Publicado em 25/06/2018 às 10:49 Italo
26 junho 55: ‘Um dia frio de lascar!’

Depois de uma boa caminhada pelo centro da cidade, vinte anos depois de sua abertura na mata e fundação, o ilustre personagem sugeriu seguir para o hotel, onde ele era aguardado por alguns amigos que com ele vieram de São Paulo para vê-lo receber a preciosa homenagem: a cidadania honorária de Umuarama.

A pergunta especial que eu havia reservado para encerrar a entrevista com o lendário corretor e desbravador do sertão do Paraná não poderia ser outra: “Porque o senhor escolheu o nome ‘Umuarama’ para batizar a cidade?”.

Mais uma gargalhada... “Pensei que você não ia perguntar isso...”. Fez uma pausa, olhou para o alto e, como que viajando pelo passado, contou o segredo tão aguardado em detalhes: “Um certo dia, alguns anos antes de eu vender estas terras para a Cia. Melhoramentos, viajei para Ribeirão Preto a negócios. Me hospedei num belo hotel que existia no centro daquela cidade, me disseram que era o melhor. Mas o que me atraiu não foi o luxo, mas o nome: Umuarama. Fui perguntar para o gerente qual era o significado dessa palavra, que eu nunca tinha visto. Ele disse que os donos do hotel, que tinham uma bela mansão em Campos do Jordão, haviam copiado o nome de um hotel-colônia de férias de uma universidade de São Paulo (o Mackenzie College) que existia lá. E disse que ‘Umuarama’ significava ‘casa dos amigos’ (o próprio gerente não soube explicar direito o significado, mas me deu a pista)”.

E continuou o relato: “Depois é que fui saber que era ‘um lugar ensolarado especial para o encontro de amigos’. Na hora, lembrando que eu tinha esta vasta área de terras aqui e sonhava um dia abrir uma cidade, descobri que já tinha o nome: UMUARAMA. Depois, resolvi vender as terras para a colonizadora, que também comprou outras áreas de alguns proprietários ao redor das minhas, para fundar a nova cidade. Como a Cia. Melhoramentos não tinha estrutura e experiência no ramo, fiquei satisfeito em fechar o negócio. Mas fiz uma exigência: tem que se chamar UMUARAMA! O Dr. Hermann (Moraes de Barros, presidente da colonizadora) também gostou da sugestão e aceitou feliz a idéia!”.

Arremata a história o desbravador Raimundo Durães: “Como havia prometido, no dia 26 de junho de 1955, um dia frio de lascar com ameaça de geadas, vim aqui para participar da instalação de Umuarama. Fui à solenidade no escritório da Companhia, na missa campal, na inauguração do aeroporto e, claro, comemoramos juntos na festa que teve ao lado do aeroporto durante o dia inteiro”.

Nunca mais encontrei Raimundo Durães, ele não voltou a Umuarama depois daquela data de nosso encontro. “Raimundinho”, simpatia e simplicidade em pessoa, virtudes dos grandes homens, daqueles que passam pela vida construindo a História. Gente que realmente faz e merece ser lembrado para todo o sempre.

O mineirinho tem seu nome gravado em letras de ouro em alto relevo na História de Umuarama, conquista que nem o tempo vai conseguir apagar. Quem ler e reler estes registros no futuro vai conhecer este personagem ímpar de nosso tempo.

Assim como o tempo não vai apagar esta entrevista exclusiva, impressa para a posteridade. O curioso é que a imprensa na época, tanto o reportariado daqui como os jornalistas de veículos paranaenses que vieram para essa cobertura, só registraram a cerimônia de entrega do título de Cidadão Honorário a Raimundo Durães e a Hermann Moraes de Barros. Não tiveram a astúcia de entrevistar o precursor dessa epopéia, que concebeu a idéia de fundar a Capital da Amizade.

Tive essa oportunidade, uma chance única que um repórter não pode perder jamais, pois além de repassar aos leitores uma história de vida interessante, o repórter está fazendo História ao documentar o perfil de alguém cuja oportunidade de rever era previsivelmente impossível, afinal, o tempo e a vida passam para todos nós. Aqui está esse valioso relato e, creio eu, fiz a minha parte! (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

CERTIDÃO COMPROVA QUE RAIMUNDO DURÃES ERA O DONO DAS TERRAS ONDE UMUARAMA FOI CONSTRUÍDA.

UMUARAMA EM 1975, ÉPOCA EM QUE O DESBRAVADOR VEIO REVER A “SUA CIDADE” VINTE ANOS DEPOIS DE TÊ-LA FUNDADO...

NA MANHÃ GELADA DE 26 DE JUNHO DE 1955 FOI INAUGURADO O PRIMEIRO AEROPORTO, A “PORTA DE ENTRADA” PARA A COLONIZAÇÃO DE UMUARAMA

Comentários
Veja também