Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - BANNER NOVO MOBILE SETEMBRO
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - 2 dose completa mobile
Anúncio - banner rodape
Anúncio - Sustentabilidade móbile
Anúncio - banner mobile rodape
EM UMUARAMA
Abrigos humanizados, belo exemplo de uma cidade amiga!
A estimativa é de que 90 a 95 pessoas estejam em situação de rua
Publicado em 02/08/2021 às 09:56 Italo
Abrigos humanizados, belo exemplo de uma cidade amiga!

Enquanto alguns municípios preparam alojamentos improvisados em ginásios de esportes para receber pessoas em situação de rua, que casualmente aceitem ou busquem abrigo, a assistência social de Umuarama está organizada e estruturada para acolher esse público em instalações mais humanizadas.

A maior parte deles já está, inclusive, acomodada em instituições parceiras, que recebem recursos financeiros e apoio da Prefeitura.

Com a onda de frio se evidenciando na região, a questão tem ganhado espaço na mídia e despertado as atenções da sociedade. Porém, desde o início da pandemia de coronavírus – em março de 2020 –, a administração municipal tem trabalhado de forma coordenada com entidades de acolhimento e atenção à população mais vulnerável, especialmente em situação de rua.

“Implantamos um alojamento coletivo no ginásio de esportes do Conjunto Guarani, no ano passado, sob a supervisão do Ministério Público, de forma emergencial, depois decidimos buscar um alojamento mais cômodo, com um atendimento melhor, o que resultou na parceria para a unidade dois da Apromo”, lembrou a secretária de Assistência Social, Izamara Amado de Moura.

Hoje, contando com os índios que estão de passagem por Umuarama, a estimativa é de que 90 a 95 pessoas estejam em situação de rua. A maioria já está alojada nas instituições. Com apoio financeiro do município, algumas entidades se reestruturaram e a capacidade de acolhimento e atenção social foi ampliada e melhorada.

“Hoje temos 68 leitos em parceria com a Apromo (40 na unidade central e 28 na outra), que pode acolher mais sete pessoas em leitos adaptados (temporários), se necessário, e mais 15 leitos em parceria com um serviço social que está se estruturando na cidade, totalizando 90 vagas. Uma parte está ocupada, mas ainda temos espaços disponíveis”, informou a secretária.

INVESTIMENTOS

Izamara lembrou que no ano passado foram investidos R$ 168 mil em recursos federais para melhorar a Apromo um e instalar a segunda unidade, atendendo diretamente as pessoas em situação de rua, e que mensalmente o município aplica R$ 70 mil em recursos para o atendimento a este público nas duas Apromo – R$ 45,6 mil em uma unidade e pouco mais de R$ 25 mil na outra). “Diante da pandemia, auxiliamos as instituições a reestruturar a oferta de serviços, refeições, equipes técnicas e alojamentos.

A Apromo oferece quatro refeições diárias e a comida é ótima. Também temos a Casa da Sopa, que fornece comida de qualidade no almoço”, completou. Um fator a se considerar é que apesar das vagas, algumas pessoas não aceitam o acolhimento e preferem permanecer na rua. “Algumas dessas pessoas não aceitam regras, como horário de entrada e saída, evitar o uso do álcool e de drogas, o que gera transtornos entre eles mesmos e também com a equipe”, lembra o presidente da Apromo, Júnior Lopes.

“Neste caso o município distribui cobertores e nós deixamos as portas abertas, caso mudem de ideia”, apontou. A abordagem é feita diariamente – às vezes mais de uma vez ao dia – pela equipe do Centro Pop”, acrescentou Izamara. O coordenador do Centro Pop, Roger Giopatto, conversou inclusive com os indígenas que estão alojados na Praça da Bíblia, junto ao terminal urbano. Eles receberam os cobertores doados pelo município, porém recusaram se instalar no abrigo.

DOAÇÕES

Com o aumento da demanda de serviços por conta do frio, as entidades precisam de apoio da população em geral para suprir o aumento do consumo de alimentos e materiais.

“A Apromo precisa de roupas e calçados masculinos, gêneros alimentícios e material de higiene pessoal e limpeza”, solicita o presidente Júnior Lopes. “Nossa rede de acolhimento está organizada, as entidades estão em sintonia com o município, através do Centro Pop, da Guarda Municipal, Apromo, Casa da Sopa, a própria secretaria e outras ferramentas da administração.

Quem aceita o acolhimento está sendo encaminhado de imediato e pode passar as noites frias do inverno no aconchego de um quarto com camas, banheiro coletivo, roupas, cobertores e alimentação garantida”, completa o prefeito Celso Pozzobom. Infelizmente, nem todos aceitam essa oportunidade e preferem continuar nas ruas.

“Mesmo assim vamos continuar com a busca ativa, as abordagens e a oferta do acolhimento”, finalizou Izamara.

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também