Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - BANNER NOVO MOBILE SETEMBRO
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - 2 dose completa mobile
Anúncio - banner rodape
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - Sustentabilidade móbile
É SUCESSO NO BRASIL!
Home Office não vai acabar com o fim da pandemia; vai crescer mais!
Empresas apoiam: elas economizam com suas equipes trabalhando em casa
Publicado em 26/03/2021 às 11:34 Italo
Home Office não vai acabar com o fim da pandemia; vai crescer mais!

Muitas das empresas que experimentaram colocar funcionários em teletrabalho tendem a adotar o modelo como definitivo na rotina produtiva. Seja por falta de uniformidade das medidas adotadas por diferentes instâncias do Poder Executivo (municipais, estaduais e federal) ou pelo recente agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil, a maioria dos empresários decidiram prorrogar o home office e apenas uma minoria voltará à antiga forma de trabalhar nos escritórios das empresas.

VANTAGENS PARA A EMPRESA

Os resultados do Home Office tem sido positivos, até surpreenderam diretores de grandes empresas. Nas atividades em que o trabalhador pode continuar cumprindo as mesmas tarefas remotamente, o empresariado confirmou muitas vantagens nesse modelo de produção. De um lado, uma maior segurança para os trabalhadores que se mantêm em isolamento neste período de aumento no número de contaminações e de mortes. De outro, a economia gerada com a diminuição dos deslocamentos e até mesmo de aluguéis e custos de manutenção de espaços físicos. Embora o home office seja atrativo para algumas organizações, a mudança de regime de trabalho precisa estar cercada de cuidados para a legislação trabalhista não seja desrespeitada. Segundo a advogada Dayanne Artmann, o primeiro cuidado deve ser a regularização do contrato de trabalho. Ela explica que o artigo 75-C da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) exige expressamente que a prestação de serviços na modalidade de teletrabalho conste expressamente do contrato individual e este especifique as atividades que serão realizadas pelo empregado. “Outro importante ponto para as empresas observarem é a possibilidade de realização de horas extras, sujeita a diferentes entendimentos jurídicos”, diz Artmann. “Alguns juristas entendem que a legislação trabalhista é clara nesse aspecto, já que o artigo 62, III, da CLT prevê que o funcionário que trabalha em regime remoto, seja em teletrabalho ou em home office, não está sujeito ao controle de jornada, e, portanto, não tem direito ao recebimento de eventuais horas extras prestadas.” A advogada pondera, no entanto, que a jurisprudência trabalhista passou a admitir a possibilidade de pagamento de horas extras quando ficar comprovado que o empregador tinha meios para controlar a jornada de trabalho, mas não os utilizou.

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

 

Comentários
Veja também