Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - Matriculas Abertas
Anúncio - CAMPANHA NIVER 63 ANOS
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - banner rodape
NO VERMELHO!!!
Depois das festas, aumentou o número de endividados!
A informação é da Confederação Nacional do Comércio (CNC)
Publicado em 06/01/2021 às 20:10 Italo
Depois das festas, aumentou o número de endividados!

O endividamento voltou a crescer no Brasil no fim de 2020, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio (CNC). É que o percentual de famílias brasileiras que estão endividadas estava em queda desde agosto, mas subiu em dezembro com as festas de fim de ano, chegando a 66,3%. Dados divulgados nesta quarta-feira (6/1) pela CNC, por meio da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), mostram que a parcela das famílias que estão no vermelho saiu de 66%, em novembro, para 66,3%. Por isso, terminou o ano acima dos 65,6% observados no fim do ano anterior, 2019. A pesquisa ainda mostra que o endividamento cresceu tanto entre as famílias que ganham até dez salários mínimos, quanto nas famílias de maior renda. Porém, o endividamento é maior nos lares que vivem com até dez salários mínimos: 67,7%, contra 60% das famílias de maior renda.

RISCO DE QUE VAI CONTINUAR CRESCENDO...

A economista da CNC, Izis Ferreira alerta para o risco de esse endividamento continuar crescendo, sobretudo entre as famílias de menor renda, após o fim do auxílio emergencial. "O crédito pode voltar a funcionar como ferramenta de recomposição da renda, ainda no contexto de incertezas sobre a evolução do mercado de trabalho”, afirmou. Já entre as famílias de maior renda, o maior endividamento pode estar relacionado à retomada do consumo e à recuperação econômica. Em dezembro, por exemplo, o consumo pode ter sido favorecido pelas compras de fim de ano e pela utilização da poupança circunstancial que foi formada na pandemia de covid-19, diante do fechamento dos serviços. Por conta disso, em dezembro, a alta do endividamento foi puxada por mecanismos de crédito de curto prazo, sobretudo pelo cartão de crédito. Segundo a CNC, o percentual de famílias que usam o cartão de crédito saltou de 77,8% para 79,4% entre novembro e dezembro, chegando ao maior patamar de todo o ano de 2020. FONTE: Confederação Nacional do Comércio (CNC)

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também