Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - BANNER MOBILE NIVER 62 ANOS
Anúncio - banner mobile
Anúncio - Ecogarden mobile
Anúncio - Pilates mobile topo
Anúncio - TOP LIFE RODAPE
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - USE MASCARA MOBILE
Anúncio - Campanha Obras
Anúncio - banner rodape
ESPECIAL
Jornalista conta a história política de Umuarama: 14 eleições
Valdir Miranda narra com maestria detalhes dos 60 anos de emancipação municipal
Publicado em 24/07/2020 às 11:03 Italo
Jornalista conta a história política de Umuarama: 14 eleições

Neste dia 25 de julho de 2020 o município de Umuarama completa 60 anos de emancipação política.  Eram decorridos exatos cinco anos e um mês que a cidade fora fundada pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná quando a Assembleia Legislativa do Paraná, por iniciativa do deputado Aníbal  Khoury, aprovou a Lei Estadual 4.245, sancionada pelo governador Moysés Lupion criando o município de Umuarama.

Até sua instalação em 15 de novembro de 1961, o novo município foi administrado por Walter Zanoto Lopes , nomeado pelo governador.

Da emancipação até os dias atuais, já se foram 60 anos. A trajetória política de Umuarama nos mostra números curiosos e algumas ocorrências inusitadas.  Nessas seis décadas ocorreram 14 eleições e o município teve 13 prefeitos. Os mandatos eletivos sempre de quatro anos, como atualmente, mas tivemos dois com duração de seis anos. Um desses mandatos teve dois prefeitos e outro, três prefeitos para cumprir o período todo de seis anos. Contando com algumas reeleições e a nomeação governamental, Umuarama teve até agora 13 prefeitos, dos quais quatro não foram eleitos para esse cargo. A história mostra isso.

Criado em 25 de julho o município teve um primeiro prefeito nomeado pelo governador, que foi Walter Zanoto Lopes, portanto não eleito pelo voto popular. Depois vieram dois vice-prefeitos que substituíram os titulares. O primeiro foi Durval Seifert, vice de Hênio Romagnolli que perdeu o cargo de prefeito cassado pelos vereadores. Depois, o vice Tuguio Setogutte que assumiu o lugar de João Cioni Neto, que, pressionado pela Câmara Municipal  e pela sociedade, renunciou ao cargo. E ainda teve uma gestão que foi concluída pelo então presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Vieira, em função de uma segunda renúncia de prefeito: Tuguio Setogutte deixou o cargo oito meses antes do final do mandato para concorrer a deputado estadual (e se eleger).

OS PREFEITOS DE UMUARAMA

Walter Zanoto Lopes (nomeado) em 1960. Hênio Romagnolli, o primeiro prefeito eleito, na eleição ocorrida no dia oito de outubro de 1961. Depois vieram Marciano Baraniuk, eleito no dia 3 de outubro de 1965; João Cioni Neto, venceu as eleições de 30 de novembro de 1969; em 15 de novembro de 1972, Hênio Romagnolli foi eleito, mas não chegou a concluir o mandato – cassado pela Câmara, deu lugar ao vice Durval Seifert; outro que voltou para o segundo mandato foi João Cioni Neto, eleito no dia 15 de novembro de 1976 – esse também não concluiu a gestão, tendo renunciado para não ser cassado pelos vereadores, assumindo o seu lugar o vice, Tuguio Setogutte.

Nesse ponto, merece uma observação: o país vivia sob uma ditadura militar e existiam no Brasil dois partidos apenas: Arena (pró-governo) e MDB (oposição – mais ou menos). Os militares, temerosos de uma derrota nas eleições municipais, prorrogaram o mandato dos prefeitos eleitos em 1976 por mais dois anos. Com isso, Tuguio Setogutte pode ficar mais tempo na Prefeitura e acabou também renunciando oito meses antes do final para poder concorrer à Assembleia Legislativa. Como não havia então o vice-prefeito, assumiu a Prefeitura o presidente da Câmara, Jorge Vieira.

Com essa prorrogação dos mandatos, as novas eleições municipais voltaram a ocorrer no dia 15 de novembro 1982. Em Umuarama foi eleito Antonio Romero Filho, para uma gestão de 6 anos. A partir daí, os mandatos voltaram para os quatro anos de duração. Em 15 de novembro de 1988, elegeu-se Alexandre Ceranto; em três de outubro de 1992, ganhou a eleição mais uma vez Antonio Romero Filho. Outra observação: até aí não era permitida a reeleição. Só era possível tentar um segundo mandato depois de um intervalo. Em três de outubro de 1996, foi eleito Fernando Scanavaca – inicialmente para um mandato de quatro anos, mas o Congresso Nacional aprovou uma emenda constitucional permitindo a reeleição para dois mandatos consecutivos para o poder executivo (presidente, governador e prefeito). Com isso, Scanavaca foi reeleito no dia primeiro de outubro de 2000. Em seguida veio Luiz Renato Ribeiro de Azevedo, eleito em três de outubro de 2004. No dia cinco de outubro de 2008, foi eleito prefeito Moacir Silva, que também venceu na reeleição, em sete de outubro de 2012. Finalmente, em dois de outubro de 2016, foi eleito o atual prefeito, Celso Luiz Pozzobom.

OS PRIMEIROS VEREADORES

Os primeiros vereadores do recém criado município de Umuarama, eleitos no dia oito de outubro de 1961, foram:

Otaviano Bispo de Souza, Waldemar Guilherme,  Antônio Moresca,  Otávio Barbosa da Silva, Osmam Moraes de Souza, Arecídio Cassiano,  José Balan, Aníbal da Costa Lopes e José Honório  Ramos.

Este é um resumo da trajetória do município de Umuarama nesses 60 anos de sua criação. Os números e os nomes, entretanto, não mostram os saborosos assuntos dos bastidores políticos dessas seis décadas. Mas haja espaço ou tempo para contar tudo. (VALDIR MIRANDA)

....................

VALDIR MIRANDA é jornalista, radialista e exerceu a chefia da Secretaria da Comunicação Social da Prefeitura de Umuarama durante os mandatos de vários prefeitos.

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Hênio Romagnolli, o primeiro prefeito eleito de Umuarama, na eleição ocorrida no dia 8 de outubro de 1961.

Panorâmica aérea de Umuarama em 1960, ano da emancipação política em que foi desmembrada do município vizinho de Cruzeiro do Oeste, do qual era distrito até então.

Logo após a emancipação, a Prefeitura funcionou num pequeno salão alugado na Rua Paissandu; poucos meses depois a colonizadora Cia Melhoramentos cedeu por empréstimo o amplo escritório  de madeira que possuía na esquina da Avenida Maringá com Rua Arapongas, onde permaneceu por muitos anos até mudar-se para o atual Paço da Amizade, no Centro Cívico.

Comentários
Veja também