Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - PONTA DE ESTOQUE 2022
Anúncio - DIA DOS PAIS 2022 MOBILE
Anúncio - MOBILE MARÇO
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodapé
O PERNILONGO VOLTOU...
Dengue em 44 bairros de Umuarama
Infestação de imóveis pelo mosquito da dengue aumentou 300% em Umuarama
Publicado em 15/03/2022 às 20:47 Italo
Dengue em 44 bairros de Umuarama

Umuarama somou mais 36 casos de dengue nesta semana, entre as 72 notificações registradas nos últimos dias pelo Serviço de Vigilância em Saúde Ambiental. Boletim divulgado na sexta-feira, 11, apontou aumento significativo no número de novos casos, comparados com dados das últimas semanas.

Desde 1º de agosto (início do período sazonal) a cidade acumula 103 diagnósticos positivos para dengue. Não houve mortes ou casos graves da doença, porém alguns pacientes já necessitaram de cuidados médicos.

Outro dado importante do boletim é que a dengue já teve registros em 44 das 62 localidades em que a cidade é dividida para acompanhamento dos agravos na área de saúde – ou seja, 70% dos bairros já tiveram algum caso da doença. Na divisão por unidade básica de saúde (UBS), a situação é mais crítica na região do Centro de Saúde Escola (CSE), que acumula 38 casos e enfrenta um surto da doença.

Além do Jardim União (Cohapar I), as regiões da UBS Guarani/Anchieta, Posto de Saúde Central e Conjunto Sonho Meu também entraram em situação de alerta nesta semana, com o aumento de casos – respectivamente 5, 9, 10 e 4 positivos. A gravidade do quadro é dimensionada pela relação entre o número de positivos e o de habitantes na área de cada unidade de saúde.

Ainda sem nenhum caso confirmado estão as UBS Bem-Estar, 26 de Junho, Ouro Branco e os distritos de Serra dos Dourados, Lovat, Santa Eliza, Roberto Silveira, Nova Jerusalém e Vila Nova União. Nas demais UBS há casos de dengue, porém com baixa incidência. No ano o total acumulado de notificações é de 474 e atualmente 24 suspeitas estão em investigação, enquanto 347 já foram descartadas.

INFESTAÇÃO DE IMÓVEIS PELO MOSQUITO DA DENGUE AUMENTOU 300%

O novo Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (Liraa), realizado nesta semana – entre os dias 7 a 11 de março –, trouxe mais um alerta para a população de Umuarama: o número de imóveis com larvas do mosquito transmissor da dengue aumentou 300% em comparação com o apurado em janeiro deste ano, passando de 0,7% para 2,8% segundo o Serviço de Vigilância em Saúde Ambiental. Foram visitados 2.161 imóveis e em 60 os fiscais encontraram larvas.

O aceitável, conforme as autoridades de saúde, é de até 1%. Uma infestação predial entre 1% a 3,9% – caso de Umuarama, hoje – é considerada de médio risco para a incidência de dengue e acima de 4% é alto risco. Não foram encontradas larvas nos imóveis visitados em apenas quatro das 18 regiões que contam com unidades de saúde na área urbana. O índice não é apurado nos distritos.

A situação mais grave é a do Jardim São Cristóvão, onde foi detectada infestação em 9,2% dos imóveis, seguida pelo Guarani/Anchieta (7,4%) e Conjunto Sonho Meu (6,5%). Em outras 11 unidades de saúde a presença de larvas do mosquito variou entre 0,4% e 4,3% dos imóveis visitados pelos agentes de combate a endemias da Secretaria Municipal de Saúde.

Por localidade, a condição mais crítica é da região da Igreja São Paulo, onde o índice de infestação predial atingiu 16%. A Praça dos Xetá ficou próximo disso (15%), seguida pelo Parque San Marino (12%), Jardim Império do Sol (11%), Jardim Nova América e Escola Paulo Freire (10% em cada) e Zona 2 (infestação de 9,1%).

Em outras dez localidades o índice também ficou muito acima do aceitável (entre 5,5% e 7,7%) e em 15 bairros da cidade variou entre 1,3% e 4%. Em outras 29 localidades não foram encontrados focos do mosquito da dengue.

Como a incidência de calor e pancadas de chuvas nos últimos dias, mesmo que de forma isolada, o momento é de intensificar os cuidados.

É necessário que a população faça vistorias de forma rotineira no quintal, para eliminar quaisquer recipientes que possam acumular água parada, como baldes, tinas, pneus, latinhas, vasos de plantas, brinquedos velhos e materiais recicláveis.

“Tudo deve ser bem armazenado e protegido da chuva para dificultarmos a reprodução do mosquito.

Os casos de dengue estão aumentando em Umuarama. Só nesta semana foram registrados mais 36 pessoas com dengue”, alertou a coordenadora da Vigilância Ambiental, Renata Luzia Ferreira.

FOTOS – Imagens ilustrativas

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também