Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - NATAL MOBILE
Anúncio - banner mobile
Anúncio - Mobile
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - Natal de Reencontros mobile
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodape
ÓTIMA NOTÍCIA:
Cientistas criam a “vacina universal”
Imunizante protege contra atuais e futuros vírus da covid-19
Publicado em 12/05/2021 às 14:01 Italo
Cientistas criam a “vacina universal”

Pesquisa feita por cientistas da Duke University, nos Estados Unidos, mostra que o desenvolvimento de uma “vacina universal” contra o coronavírus está próximo. O imunizante está sendo criado para proteger contra atuais e futuros betacoronavírus. Uma linhagem do vírus, Sars-CoV-2, foi responsável pelo surgimento da covid-19. Os resultados, ainda preliminares, foram publicados nessa 2ª feira (10.mai.2021) na plataforma on-line da revista científica Nature. Eis a íntegra (20 MB). Além da covid-19, os betacoronavírus causaram outras epidemias, como as da Mers (Síndrome Respiratória do Oriente Médio) e Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave).

Os pesquisadores se concentraram em desenvolver um imunizante que bloqueie a ligação da chamada proteína Spike com o receptor ACE2. Essa ligação, responsável por permitir que o vírus ataque o sistema imunológico, é comum a todos os betacoronavírus. Por isso, a comunidade científica acredita que futuras linhagens do vírus também dependerão dessa conexão para atacar o sistema imunológico.

No trabalho da Universidade Duke, liderado por Kevin Saunders, grupos de macacos foram vacinados com dois tipos de vacina. Uma continha nanopartículas que levam partes da proteína Spike.

A outra usou a mesma tecnologia dos imunizantes anticovid desenvolvidos pela Pfizer/BioNTech e Moderna: o mRNA (RNA mensageiro). Os pesquisadores, então, inocularam os coronavírus da Mers, da Sars e da covid-19 (variantes brasileira, sul-africana e chinesa). Os grupos vacinados foram comparados a outros, de animais infectados e não vacinados.

Ambas as vacinas foram eficientes ao bloquear a ligação da proteína Spike com o receptor, mostrando que são eficazes na proteção contra infecções causadas pelos betacoronavírus.

Os resultados mostram que o imunizante de nanopartículas se saiu melhor. Mas os cientistas ressaltaram que a vacina de mRNA também neutralizou a ação dos vírus e pode ser importante para “fornecer uma plataforma para o desenvolvimento de vacinas” universais. O imunizante ainda precisa passar por duas etapas antes de chegar ao mercado: aplicação em pequenos grupos de humanos e testes em larga escala.

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também