Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - Casa Gomes banner lateral
Anúncio - BANNER NOVO MOBILE SETEMBRO
Anúncio - banner topo 2021
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - 2 dose completa mobile
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodape
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - Sustentabilidade móbile
TRISTE SINA
Erosão, eterno pesadelo do Noroeste
Drama vem desde o século passado, época do desmatamento do território
Publicado em 24/05/2017 às 00:00 Italo
Erosão, eterno pesadelo do Noroeste

O Noroeste paranaense, desde meados do século passado quando o território foi aberto para “plantar” cidades e cafeeiros, começou o drama da erosão. Um câncer que devora o frágil arenito caiuá.

Essa destruição começou com a terrível derrubada das matas verdes que cobriam milhares de alqueires. Em pouco tempo, depois que as árvores caíram por terra, começou o enlouquecedor processo erosivo que, certamente, ninguém impedirá de continuar existindo.

Umuarama, por exemplo, com mais de 60 anos de fundação, é uma eterna vítima dessa destruição. Tanto na zona rural, como na urbana, imensas crateras surgem por força das chuvas, principalmente na época outono-inverno em que elas são constantes e fortes.

Milhões e milhões já foram gastos em mais de meio século de combate à erosão. Dinheiro que foi ladeira abaixo junto com o arenito caiuá. Nas estradas ou vias urbanas, não há asfalto que resista: vira um queijo suíço, causando problemas e protestos da população.

E nesta semana voltamos a presenciar cenas absurdas da destruição de nosso solo arenoso: aqui e nas cidades vizinhas que formam a Região Metropolitana de Umuarama está um caos. Foram quatro dias seguidos de chuvas...

E o clima, mantendo a antiga tradição da natureza, vai continuar assim até a primavera chegar. As águas vão continuar rolando por estradas e propriedades das lavouras e assombrando ruas e avenidas de nossos bairros, desde o centro até os mais distantes.

Já ditaram mil e uma teses para tentar controlar – solucionar é impensável, diante do gigantismo desta área coberta por areia, digo arenito caiuá – o fantasma da erosão. Sem sucesso!

Os prejuízos continuaram, seguem hoje e não há a mínima garantia que um dia encontrarão solução! São Pedro, tende piedade de nós senão o nosso Noroeste ainda vai acabar num imenso buraco!!!!!!! (ITALO FÁBIO CASCIOLA)

(www.colunaitalo.com.br)

FOTOS:

Destruição provocada pelo volume intenso de chuvas na estrada da Bica (zona rural), na saída para São Tomé, na vizinha Cianorte. Essas imagens fantásticas são de autoria de Anderson Theodoro.

Comentários
Veja também