Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - banner mobile
Anúncio - banner mobile tecnico em podologia
Anúncio - BANNER MOBILE NATAL
Anúncio - BANNER PERSIANAS
Anúncio - Ecogarden mobile
Anúncio - campanha nova mobile
Anúncio - Cidadania Esmola Nâo
Anúncio - banner móbile
Anúncio - banner rodape
EXCLUSIVO!
Valdir Miranda escreve: Triste Brasil, lá e cá
Jornalista e radialista, é o nosso mais respeitado comentarista político
Publicado em 01/04/2017 às 00:00 Italo
Valdir Miranda escreve: Triste Brasil, lá e cá

Difícil ficar calado diante de tantos absurdos. Assisti nesta quinta-feira (30/03) duas cenas absurdas do que ocorre nesse Brasil do meu Deus.

Numa delas, dois deputados federais - o Oliveira Maia (PPS-BA) e Arlindo Chinaglia (PT-SP) - trocaram "elogios" durante sessão que discutia a reforma da Previdência. Se auto-definiram como safados, caloteiros e outras definições nada lisonjeiras.

Mudando de canal, vê-se crianças de uma escola pública do Rio de Janeiro se protegendo nos corredores para não serem atingidas por uma troca de tiros entre bandidos e a polícia em uma comunidade carioca. Infelizmente, uma menina de 13 anos foi atingida por uma bala perdida e morreu.

Afinal, onde estamos? em que mundo vivemos? ou que País é este em que enquanto nossas crianças amedrontadas se encolhem em corredores nas escolas, onde deviam estar recebendo ensinamento na sala de aula, aqueles que elegemos para apresentar garantias de segurança, saúde, educação, emprego, assistência para os necessitados, se classificam de safados, caloteiros, vagabundos - eles, os deputados federais.

É este o meu País? Vi naquela imagem da escola do Rio uma repetição das cenas que a TV apresenta de forma exaustiva quando fala sobre a guerra da Síria, que já dura seis anos; Vi, na reportagem que mostrou a pouca vergonha entre os dois deputados já mencionados, a imagem borrada, distorcida, confusa, de um País que busca uma direção.

Nós, cá embaixo, dentro da nossa pequenez, assistimos passivamente esses abusos, nos dobramos à situação e aceitamos a realidade.

Nós temos a mais poderosa arma que uma Democracia pode garantir e não fazemos uso dela. Com essa arma, a gente não dispara um tiro, dá logo um torpedo nuclear contra a falta de vergonha na política e a desfaçatez com que gangs dominam a nossa população. É uma arma simples, fácil de manusear, pode ser usada por quem tem mais de 16 anos: o VOTO!

Esses desavergonhados que estão no Congresso Nacional, enquanto trocam xingamentos nas reuniões da Casa que deveria ser o monumento da Democracia se preocupassem com medidas de combate ao crime organizado que aterroriza o País, com a segurança da população, nós não ficaríamos expostos a cenas como as mostradas diariamente pela imprensa.

Infelizmente, não precisamos ir ao planalto central e aos grandes centros urbanos onde se decidem a política ocorrem crimes às pencas. A ausência da responsabilidade e comprometimento daqueles que elegemos no quintal de casa já dão mostras do cenário político contaminado.

A Câmara Municipal de Umuarama não aprovar um pedido de informações à Prefeitura sobre número de cargos comissionados, salários e onde estão lotados os respectivos servidores nomeados.

Não acredito que haja algo a esconder, mas que a atitude preocupa... preocupa. Não queremos mostrado aqui o quadro que o cenário nacional nos apresentou, tristemente, esta semana.

(*) VALDIR MIRANDA é jornalista e radialista; foi secretário de Comunicação Social durante várias gestões na Prefeitura de Umuarama; possui um rico currículo de serviços prestados à comunidade e merece respeito como comentarista político na Capital da Amizade.

Anúncio - Dentista
Comentários
Veja também